Espetáculo inédito da Cia. Fusion de Danças Urbanas circula por Minas Gerais

Cultura mineira em associação com o hip hop é o tema do novo trabalho da Cia. Fusion de Danças Urbanas, intitulado “Quando Efé”, que inicia turnê de três meses em outubro. Com Leia Mais

Street Luge o esporte que mais cresce nas favelas de Minas Gerais

O que é Street Luge : É uma corrida de ladeira abaixo em um skate gigante com muitas curvas acentuadas e com uma boa segurança para que os pilotos não se machuquem Leia Mais

Rede de Jovens “Judá” reúne centenas de pessoas na I.B.T. A em Ipatinga

Por Luizin Ribeiro Ipatinga, MG – A Igreja Batista templo de Adoração da comunidade do vale do Sol (Vila celeste), recebeu neste ultimo Domingo (17), a partir das 19h30min, à noite do Leia Mais

 

Espetáculo inédito da Cia. Fusion de Danças Urbanas circula por Minas Gerais

©2013 Fernanda Abdo

©2013 Fernanda AbdoCultura mineira em associação com o hip hop é o tema do novo trabalho da Cia. Fusion de Danças Urbanas, intitulado “Quando Efé”, que inicia turnê de três meses em outubro. Com base em elementos que vão desde expressões locais até as tradições musical, religiosa e cênica do estado, a obra traz questionamentos sobre a relação da sociedade contemporânea com sua memória por meio das danças urbanas. As seis cidades que recebem o espetáculo são Ipatinga, Uberaba, Uberlândia, Belo Horizonte, Divinópolis e Araxá. No município do Vale do Aço, o espetáculo é no dia 25 de outubro, às 20h, no teatro Zélia Olguin. Os ingressos custam 10 reais.

 “Quando efé” busca aproximar manifestações que podem, num primeiro momento, parecer antagônicas, mas que convivem de forma harmoniosa em uma cidade como Belo Horizonte: o rap, as danças urbanas e as batidas eletrônicas coexistem com modas de viola, com o congado e os tambores mineiros. A inspiração veio de características culturais de Minas Gerais, como festas, sonoridades e danças tradicionais, o trabalho de ícones das artes cênicas do estado, assim como a cena hip hop da capital. O vocabulário também foi observado, a exemplo da expressão “quando é fé”, que deu origem ao título do espetáculo, e significa “de repente” ou “até que”. A obra, entretanto, transcende a simples tematização ao propor uma reflexão acerca de questões como identidade, tradição, inovação, memória cultural e transculturalismo. Dessa forma, a partir das especificidades da mineiridade, procura-se promover uma discussão universal sobre valores humanos.

A coreografia é uma criação colaborativa dos integrantes, sempre com coordenação de Leandro Belilo, diretor e idealizador do espetáculo, que também atua como bailarino da companhia. Ele foi também responsável pela criação do cenário e do figurino, além de ter participado ativamente da concepção de trilha sonora e da elaboração da iluminação. O elenco conta com outros seis bailarinos: Augusto Rodrigues, Jefferson Siqueira, Jonatas Pitucho, Victor Alves, Wallison Culu e Walmor Calado. A trilha foi composta por Matheus Rodrigues e Isadora Rodrigues, produtora artística e executiva das apresentações, e conta com participação especial do Mestre Negoativo, líder da banda Berimbrown. A orientação de pesquisa ficou a cargo do Professor Doutor Reinaldo Martiniano Marques, da Universidade Federal de Minas Gerais.

 História

 A Cia. Fusion de Danças Urbanas surgiu em 2002 a partir da reunião de amigos que gostavam de dançar. O hobby foi ganhando cada vez maior importância, e o interesse pela pesquisa, discussão e divulgação da dança de rua cresceu o suficiente para que o grupo se profissionalizasse e passasse a propor novas formas de se produzir essa modalidade artística. A companhia, além de viver a cultura urbana, busca mostrar essa cultura (às vezes restrita a públicos específicos) para o mundo, aproximando-a de conceitos variados e de outras artes. Assim, suas possibilidades expressivas são ampliadas.

O primeiro espetáculo da companhia é “Som”, de 2009, cuja ideia foi desconstruir a dominação da música sobre o movimento – recorrente no cenário do hip hop –, propondo uma dança que não fosse submissa à batida, mas que dialogasse com ela.

 O segundo trabalho é “Matéria Prima”, de 2012, que dá continuidade à reflexão da apresentação de estreia, acrescentando questionamentos acerca da dança e das motivações que levam as pessoas a praticá-la. O espetáculo rendeu à companhia a aprovação pelo V Prêmio Cena Minas, tendo circulado por quatro cidades mineiras.

Em fevereiro de 2013, a Cia. Fusion estreou seu terceiro espetáculo, “Meráki”. A obra é fruto do amadurecimento artístico da companhia e de um aprofundamento na pesquisa das possibilidades expressivas das danças urbanas. “Meráki” realiza uma integração entre dança, música e fotografia.

 O grupo já se apresentou em importantes festivais do país. Na capital mineira, participou de eventos como o Verão Arte Contemporânea (em 2010, 2012 e 2013) e o Festival de Arte Negra – FAN (em 2012 e 2013), além de ter circulado por diferentes regiões da cidade por meio do Edital Cena Música, da Prefeitura de Belo Horizonte (2013). No interior do estado, são exemplos o Festival de Inverno de Itabira (2012) e o Festival de Inverno da UFMG (2013). O grupo também já circulou por São Paulo e integrou a programação da edição mais recente do Vivadança Festival Internacional. Por este evento, se apresentou em três cidades: Salvador, Vitória e Belo Horizonte.

 O espetáculo atual, “Quando Efé”, teve patrocínio da Lei Municipal de Cultura de Belo Horizonte para sua montagem. A turnê por cidades mineiras é resultado da aprovação no Programa O Boticário na Dança 2013, com recursos da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

Serviço

Espetáculo “Quando Efé” – Cia. Fusion de Danças Urbanas

Local: Teatro Zélia Olguin

Apresentação: 25 de outubro

Horário: 20h

Ingressos: R$10,00 inteira, R$5,00 meia

Street Luge o esporte que mais cresce nas favelas de Minas Gerais

10603459_700814933331298_8997881451464045418_n

O que é Street Luge : É uma corrida de ladeira abaixo em um skate gigante com muitas curvas acentuadas e com uma boa segurança para que os pilotos não se machuquem na queda ou esbarro . O piloto, deitado de costas (padrão) ou de bruços (avançado), se inclina para controlar velocidade e direção. Por que é perigoso: às vezes o controle fica só na tentativa mesmo, algo perigoso a 100 km/h. Custava botar um freio? Até carrinho de rolimã tem o seu.

Ipatinga pode sediar esse tipo de esporte perigoso ? Na verdade até poderia mais os morros que existe na cidade não são bem acentuados,pois , isto deicharia a corrida sem emoção ou graça de ver os competidores a mais de 100 km/h. Fora o pequeno fato de que as ruas da cidade não oferece segurança para os motorista e nem os motoqueiros imagina uma competição de grande importância sem segurança

Rede de Jovens “Judá” reúne centenas de pessoas na I.B.T. A em Ipatinga

10681558_719447518109890_1234984498_n

Por Luizin Ribeiro

Ipatinga, MG – A Igreja Batista templo de Adoração da comunidade do vale do Sol (Vila celeste), recebeu neste ultimo Domingo (17), a partir das 19h30min, à noite do “Fechado com a Rede de Jovens Judá”. O evento reuniu uma multidão de adoradores em um só lugar, na Quadra da “Escola Estadual Manoela Soares Bicalho” somando um total aproximadamente mais de 400 pessoas. Foram várias apresentações culturais contando com a participação de praticantes de Le – Parkour e B.Boys que uniram com toda a rede e formaram uma grande coreografia somando um tempo aproximado de 5 minutos.